ARTE NEGRA

marca_recortada_presentesmágicos_completa

Os “Três Presentes Mágicos – Pesquisa, Criação Coletiva, Produção e Circulação de Espetáculo com Teatro de Animação (Bonecos, Objetos e Máscaras) e a Musicalidade do Tambor de Sopapo”, contemplado na Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros, é um processo de pesquisa, criação coletiva, produção e circulação pública de espetáculo, tendo como referência o conto africano “Os Três Presentes Mágicos”, de Rogério Andrade Barbosa, explorando o universo do Teatro de Animação (Bonecos, Objetos, Sombra e Luz) e a musicalidade do instrumento tradicional tambor de Sopapo.

A Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros

A Bolsa Funarte de Fomento aos Artistas e Produtores Negros em sua edição de 2014, concedeu 45 bolsas de apoio a projetos culturais que promovem a reflexão, a pesquisa de linguagem e a criação nas áreas de artes visuais, circo, dança, música, teatro, preservação da memória e artes integradas, realizados por proponentes autodeclarados negros (pretos e pardos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE).

A iniciativa visa dar aos produtores e artistas negros oportunidade de acesso a condições e meios de produção artística, em conformidade com:

a) o Plano Nacional de Cultura (Lei 12.343/2010), especialmente no que se refere aos programas de reconhecimento, preservação, fomento e difusão do patrimônio e da expressão cultural dos e para os grupos sujeitos à discriminação e marginalização;

b) o Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010), que estabelece em seu artigo 4º, incisos IV e VI, a promoção de ajustes normativos para aperfeiçoar o combate à discriminação e às desigualdades étnicas e a implementação de incentivos e critérios de condicionamento e prioridade no acesso aos recursos públicos.

Página do projeto: http://culturadigital.br/ostrespresentesmagicos/

cropped-CabeçalhoBlogCartaEsperançaGarcia

O projeto “Carta de Esperança Garcia”, contemplado no Edital Ministério da Cultura/ UFPE 2013: Preservação e acesso aos bens do patrimônio Afro-Brasileiro, tem por objetivo promover uma ampla e profunda pesquisa sobre o conteúdo da carta escrita pela escrava Esperança Garcia no Piauí Colonial de 1770, bem como sobre o contexto histórico de seu surgimento. O documento escrito por Esperança Garcia, centro do projeto, é um importante legado para a memória Afro-brasileira.

O Edital Preservação e acesso aos bens do patrimônio Afro—Brasileiro foi fruto de uma ação articulada entre Ministério da Cultura (MinC), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) e a Rede Memorial, em vista da constituição da futura plataforma “Acervo Digital Afro-Brasileiro”. Este edital se insere dentro de uma importante política pública de coleta, resgate, recuperação, conservação e disponibilização para o acesso Público de acervos de interesse científico e cultural de bens do patrimônio Afro-Brasileiro, visando ainda ampliar a sua disponibilidade e acessibilidade, e maximizar os benefícios desses acervos para a geração de conhecimento novo.

Toda esta ação está alinhada ainda com a Declaração da Unesco/UBC Vancouver e com o Plano Nacional de Promoção da Igualdade Racial (PLANAPIR), cuja coordenação está a cargo da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) do Governo Federal. O projeto “Carta de Esperança Garcia” é um dos 20 projetos apoiados dentro desta ação coordenada nacionalmente pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) através de sua Diretoria de Extensão Cultural.

carta de Esperança Garcia . Arquivo Profº Solimar

Fotografia: Paulo Gutemberg

Carta de Esperança Garcia: um projeto de Memória, Pesquisa e Acesso.

A carta de Esperança Garcia – mulher, negra, nordestina, escravizada e consciente de sua condição subumana – é um documento essencial para a conservação da memória afro-brasileira e do registro da resistência do povo negro ao longo da história do país. O projeto propõe atender duas necessidades: a primeira, é tornar o conteúdo da carta amplamente conhecido e disponível através de uma página online e interativa na internet. A segunda, é saber informações precisas sobre a localização da carta original e sua atual situação de conservação, guarda e acesso, considerando que se trata de um documento raro e de um registro precioso da presença africana no Brasil.

Como resultado da realização deste projeto de pesquisa, espera-se que a carta de Esperança Garcia, bem como sua pessoa e o contexto em que esta foi escrita, seja melhor apropriada pelo povo brasileiro.

Página do projeto: http://culturadigital.br/cartaesperancagarcia