TRANSIT 2020: Última exibição de Wonderland Ave. – Uma Experiência de Criação Cênica em Confinamento, dia 15/12, às 20 horas

INSCRIÇÃO: https://www.sympla.com.br/transit-2020—wonderland-ave—experiencia-de-criacao-cenica-em-confinamento__1077510

ATENÇÃO: Exibição através de link exclusivo enviado por e-mail no dia da apresentação. A transmissão dos espetáculos do TRANSIT 2020 será exclusiva para os inscritos.

TRAILER | Wonderland Ave. – Experiência de Criação Cênica em Confinamento. Produção: Coletivo Catarse de Comunicação.

“Por mais que a gente tente se igualar às máquinas, sempre tem alguma coisa que não funciona, alguma coisa sempre vaza, tem sempre alguma coisa fazendo barulho” (Sibylle Berg)

Na montagem proposta pelo diretor Leandro Silva e sua equipe para Wonderland Ave. da dramaturga alemã Sibylle Berg, o cotidiano de um mundo distópico governado pela presença e voz onisciente das Inteligências Artificiais (I.A.). Corpos e casas reais, invadidas pela “voz” das máquinas que tudo ouvem, veem e sabem.

Ante a impossibilidade de realização do projeto original interrompido pela pandemia da Covid-19, a equipe opta por uma experiência nascida da fricção entre teatro, confinamento social e audiovisual, mesclando o texto da obra de Sibylle Berg com a crueza da experiência pessoal de confinamento de cada um. Para a adaptação do projeto, a equipe dispensa cenários e figurinos elaborados e abusa de recursos como ligações telefônicas, maquetes, miniaturas, videoconferência e registro em vídeos nas casas dos artistas. Ensaio e cena, processo e produto, sem uma fronteira nítida. Corpos e presenças em trânsitos, da sala física às arenas virtuais, do edifício teatral para as casas do diretor, da atriz, dos atores e técnicos, um “teatro do possível” para se somar a tantas experiências teatrais na pandemia em todo mundo, tão diferentes quanto potentes. O trabalho contou com a colaboração do Coletivo Catarse de Comunicação, e será veiculado em volume único via streamming.

Duração: 50 minutos 

Classificação Indicativa: 14 anos 

Técnicas: Teatro Filmado e Teatro de Miniaturas 

Ficha Técnica: 

Direção teatral: Leandro Silva | Direção audiovisual: Billy Valdez | Elenco/ Personagens: Márcia Metz (Robô/ Coro/IA), José Renato Lopes (Pessoa 1), Paulo Roberto Farias (Pessoa 2) e Marco Marchessano (Pessoa 3) | Adaptação de roteiros: coletivo da equipe | Desenho e criação de maquetes e miniaturas: Silvia Serrano | Trilha Sonora: Paulo Betanzos | Desenho de som e finalização: Gustavo Türck | Projeto Visual: Silvia Serrano e Leandro Silva | Captação, edição e pós-produção: Coletivo Catarse de Comunicação | Provocadores críticos artísticos e acompanhamento: Michele Rolim e Henrique Saidel (AGORA Crítica Teatral) | Realização: Instituto Goethe de Porto Alegre Sesc/RS

TRANSIT 2020

O projeto Transit estabelece trocas entre continentes, estéticas, linguagens e interpretações, além de colaborar para a ampliação e qualificação do campo crítico para as artes cênicas de Porto Alegre. Para a edição deste ano, foram contempladas duas montagens do texto Wonderland Ave., da autora alemã Sibylle Berg. As montagens teriam sua estreia no 15º Festival Palco Giratório Sesc, em maio de 2020, e posteriormente realizariam uma temporada no Teatro do Goethe-Institut Porto Alegre. Contudo, por ocasião da pandemia da COVID-19, as montagens selecionadas pelo edital da 4ª edição precisaram adaptar-se para o formato virtual. Os projetos que serão exibidos nesta edição são “Wonderland Ave. – Experiência de criação cênica em confinamento”, com direção de Leandro Silva e “Avenida das Maravilhas”, com adaptação e direção de Julia Ludwig.

Para conhecer o processo de criação das obras, acompanhe as publicações disponíveis no site AGORA Crítica Teatral: http://www.agoracriticateatral.com.br/tags/transit%202020

TRANSIT 2020: Última temporada!

Estão no ar as inscrições para a terceira e última temporada dos espetáculos do Transit 2020! A peça “Wonderland Ave. – Experiência de criação cênica em confinamento”, dirigida por Leandro Silva, acontece na próxima terça-feira, dia 15 de dezembro, às 20h, e o espetáculo “Avenida das Maravilhas”, dirigida por Júlia Ludwig, acontecerá na quarta e quinta-feira, 16 e 17 de dezembro, também às 20h. As duas montagens apresentam versões diferentes para o texto da autora alemã Sibylle Berg intitulada Wonderland Ave. As inscrições para assistir às peças são gratuitas e ocorrem a partir da plataforma Sympla (link: https://linktr.ee/goetheinstitut_portoalegre ).

No momento da inscrição, os participantes podem optar contribuir em um chapéu virtual com um valor simbólico para auxiliar os grupos. Após a inscrição, o público receberá um link exclusivo antes do espetáculo, através do qual será possível acompanhar a peça.

TRANSIT 2020

O projeto Transit estabelece trocas entre continentes, estéticas, linguagens e interpretações, além de colaborar para a ampliação e qualificação do campo crítico para as artes cênicas de Porto Alegre. Para a edição deste ano, foram contempladas duas montagens do texto Wonderland Ave., da autora alemã Sibylle Berg. As montagens teriam sua estreia no 15º Festival Palco Giratório Sesc, em maio de 2020, e posteriormente realizariam uma temporada no Teatro do Goethe-Institut Porto Alegre. Contudo, por ocasião da pandemia da COVID-19, as montagens selecionadas pelo edital da 4ª edição precisaram adaptar-se para o formato virtual. Os projetos que serão exibidos nesta edição são “Wonderland Ave. – Experiência de criação cênica em confinamento”, com direção de Leandro Silva e “Avenida das Maravilhas”, com adaptação e direção de Julia Ludwig.

Para conhecer o processo de criação das obras, acompanhe as publicações disponíveis no site AGORA Crítica Teatral: http://www.agoracriticateatral.com.br/tags/transit%202020

TRANSIT 2020: Exibição de Wonderland Ave. – Uma Experiência de Criação Cênica em Confinamento, dia 24/11, às 20 horas

Dia 24 de novembro, às 20 horas, teremos uma nova exibição de Wonderland Ave. – Uma Experiência de Criação Cênica em Confinamento, através do canal no YouTube do Instituto Goethe, ainda integrando a programação do TRANSIT 2020, a edição atravessada por essa pandemia tão inquietante para nossa vidas. Faça sua inscrição. É gratuito! Todas as infos no evento!

Inscrições na plataforma Sympla: https://bit.ly/wonderlandave2411

E no site AGORA Crítica Teatral tem publicações muito interessantes do processo de acompanhamento desenvolvido por Michele Rolim e Henrique Saidel em todo nosso percurso. Tá tudo aqui: http://www.agoracriticateatral.com.br/tags/transit%202020

O Projeto Transit é uma realização do Goethe-Institut Porto Alegre e do Sistema Fecomércio-RS/Sesc, com parceria do AGORA Crítica Teatral.

Chapéu virtual

Se você puder e desejar, pode contribuir voluntariamente antes ou no dia da apresentação com um chapéu virtual que será revertido para os artistas participantes. O espetáculo Wonderland Ave. tinha sua estreia prevista para maio de 2020, durante o 15º Palco Giratório do SESC RS e seguiria em temporadas no Instituto Goethe de Porto Alegre. Com a pandemia e a necessidade de isolamento social, os espaços culturais foram fechados e todos as oportunidades de trabalho dos artistas canceladas. Sua colaboração com qualquer valor no nosso chapéu virtual vai contribuir para auxiliar toda a equipe do espetáculo neste momento difícil.

Teatro on-line, gratuito e com conteúdo exclusivo. Está chegando o Transit 2020!

O Projeto Transit se reinventou neste ano e chega com uma nova roupagem, pela internet! A iniciativa é realizada pelo Sesc/RS e Goethe-Institut Porto Alegre, com parceria do site Agora Crítica Teatral.

Serão apresentadas montagens do texto “Wonderland Ave.”, da autora alemã Sibylle Berg, com tradução inédita de Luciana Waquil. Os projetos que serão exibidos nesta edição são “Wonderland Ave. – Experiência de criação cênica em confinamento”, com direção de Leandro Silva, e “Avenida das Maravilhas”, com adaptação e direção de Julia Ludwig.

As atrações serão no Youtube do Goethe-Institut Porto Alegre e do Sesc/RS, nos dias 3, 4 e 5/11, em links exclusivos que serão enviados para quem se inscrever previamente no site do Sesc/RS.

Inscreva-se e participe: www.sesc-rs.com.br/transit

ATENÇÃO: Para assistir aos espetáculos e participar das atividades do projeto Transit é necessário realizar a inscrição abaixo. Realizando a inscrição você receberá, um dia antes da data do espetáculo, um link para acesso a atividade. A transmissão dos espetáculos será exclusiva para os inscritos.

#Transit2020 #goetheinstitutportoalegre #SescRS #AgoraCriticaTeatral #Cultura #SescEmCasa #VemproSesc #FecomercioRS

DEPOIMENTO: W. A. Confinados, por Márcia Metz (TRANSIT 2020)

A atriz Márcia Metz fala de suas impressões após um dia intensivo de pesquisa, ensaios e gravação, realizados no dia 30 de setembro em Porto Alegre – RS.

O texto da alemã Sibylle Berg será encenado, de forma independente, por dois diretores, além de Leandro Silva, por Julia Ludwig, dentro do projeto Transit 2020. As montagens são uma corealização do Goethe-Institut Porto Alegre e Fecomercio/Sesc RS em parceria com o AGORA.

DEPOIMENTO: W. A. Confinados, por Paulo Roberto Farias (TRANSIT 2020)

O ator Paulo Roberto Farias fala de suas impressões após um dia intensivo de pesquisa, ensaios e gravação, realizados no dia 25 de setembro em Porto Alegre – RS.

O texto da alemã Sibylle Berg será encenado, de forma independente, por dois diretores, além de Leandro Silva, por Julia Ludwig, dentro do projeto Transit 2020. As montagens são uma corealização do Goethe-Institut Porto Alegre e Fecomercio/Sesc RS em parceria com o AGORA.

DEPOIMENTO: W. A. Confinados, por José Renato Lopes (TRANSIT 2020)

O ator José Renato Lopes fala sobre sua participação na experiência de criação cênica da obra Wonderland Ave, realizada no dia 24 de setembro de 2020, em sua casa em Porto Alegre-RS.

O texto da alemã Sibylle Berg será encenado, de forma independente, por dois diretores, além de Leandro Silva, por Julia Ludwig, dentro do projeto Transit 2020. As montagens são uma corealização do Goethe-Institut Porto Alegre e Fecomercio/Sesc RS em parceria com o AGORA.

DEPOIMENTO: W. A. Confinados, por Marco Marchessano (TRANSIT 2020)

O ator Marco Marchessano fala sobre sua participação na experiência de criação cênica da obra Wonderland Ave, realizada no dia 22 de setembro de 2020, em sua casa em Canoas-RS.

O texto da alemã Sibylle Berg será encenado, de forma independente, por dois diretores, além de Leandro Silva, por Julia Ludwig, dentro do projeto Transit 2020. As montagens são uma corealização do Goethe-Institut Porto Alegre e Fecomercio/Sesc RS em parceria com o AGORA.

“Hoje era o dia”. “Quem seríamos hoje?” – Sentimentos sobre uma estreia adiada: Wonderland Ave.

1. WhatsApp Image 2020-05-21 at 16.41.21

2. WhatsApp Image 2020-05-21 at 16.42.07

3. WhatsApp Image 2020-05-21 at 16.42.47

4. WhatsApp Image 2020-05-21 at 16.43.20

5. WhatsApp Image 2020-05-21 at 16.43.53

6. WhatsApp Image 2020-05-21 at 19.20.40

Sequência de conversa em grupo de WhatsApp da Equipe 1 do projeto de montagem e encenação de Wonderland Ave. pelo projeto TRANSIT, realizado pelo Instituto Goethe em parceria com o SESC RS e site AGORA Crítica Teatral. Hoje, 21 de maio de 2020, data de estreia da obra, antes do projeto (e o mundo) parar por conta da emergência global do Covid-19.

[07/05/2020] Diálogos em Transit: Encontros Virtuais da Equipe 1 – Transit IV

Durante o período de isolamento social, a equipe de montagem e encenação da peça Wonderland Ave. com direção de Leandro Silva e selecionado para o projeto TRANSIT, promovido pelo Instituto Goethe em parceria com o SESC RS e site AGORA Crítica Teatral, se manteve em contato pela internet para conversar e discutir o presente e o futuro do trabalho.

Nesta postagem, mantemos um registro com a síntese dos diálogos, inquietações e referencias trocadas ao longo do isolamento social pela equipe.

Reunião Virtual do dia 07 de maio de 2020, através do Messenger/ Facebook

WhatsApp Image 2020-05-12 at 16.39.12

Equipe em Videoconferência de 07/05/2020: diálogos em Transit!

Foi nosso primeiro momento de “encontro” virtual, para além dos diálogos que fazemos no nosso grupo de WhatsApp. Ficamos muito felizes pelo encontro, por se ver mesmo que virtualmente e, inicialmente, poder dialogar sobre como estamos agora no contexto do isolamento social.

No geral, todos da equipe estão em suas casas, com suas famílias e se cuidando. O momento para nós é de forte apreensão, incertezas, medo e desânimo por conta do contexto da pandemia que, neste momento no Brasil, vai beirando a marca de quase 10 mil mortos. A isso, se soma as posturas do governo brasileiro, afundado em negacionismo e incapaz tanto em fazer uma articulação nacional para enfrentamento da pandemia, quanto de promover ações concretas de socorro à população diretamente mais impactada por esta.

Nesse contexto, é preocupante o impacto da pandemia para os trabalhadores da Cultura, situação que nos atravessa diretamente. No geral, todos da equipe ficamos sem trabalho, alguns conseguiram o auxílio emergencial oferecido pelo governo e outros seguem tentando fazer alguns trabalhos como freelancer, em regime de home-office. O prolongamento da pandemia e do isolamento social vai cada vez mais dificultando a sobrevivência financeira dos trabalhadores da Cultura. A nossa sobrevivência. E lidar com isso é desgastante.

Outra questão que a equipe refletiu é a pós-pandemia e o que significará efetivamente “voltar à normalidade” depois. Acreditamos que não haverá uma normalidade como um estado anterior a esta situação em que nos encontramos. A pandemia deixará marcas sociais profundas e duradouras, que certamente irá impactar especialmente o Teatro, uma arte essencialmente da presença, da aglomeração, do acontecimento e do encontro. Acreditamos tanto que esse retorno aos encontros poderá ser bem tardio,  de maneira muito progressiva, quanto na possibilidade de vivermos situações novas, novos hábitos e restrições que obrigarão os trabalhadores e trabalhadoras do teatro a se repensarem.

Quanto ao nosso trabalho em específico, o texto Wonderland Ave. se tornou assustadoramente atual, profético e ainda mais essencial. E precisa ir à cena! É um texto urgente.

No que diz respeito ao projeto de montagem do trabalho pela nossa equipe, calcado nas poéticas tecnológicas, é importante frisar algumas coisas:

– No nosso projeto de montagem, a tecnologia é colocada como uma ferramenta de composição cênica, para a constituição de uma arena ou dispositivo cênico tecnológico que imporia à equipe e à plateia novas possibilidades de interação, jogos e riscos. E tudo para ser feito diante do espectador. Estava fora da concepção do projeto (“e continua estando”, conforme o diretor Leandro Silva) qualquer uso da tecnologia como um dispositivo de mediação do contato do espectador com a peça. Logo, o fato de termos a presença das poéticas tecnológicas em nosso trabalho de montagem de “Wonderland Ave.”, não resolve de imediato a questão de um novo formato para a obra solucionada por via destas.

– Também acreditamos que devemos olhar de forma mais crítica o uso de “lives” e a tentativa de querer fazer desse formato um substituto para as apresentações teatrais. É preciso pensar num uso próprio, com formato e tecnologias próprias que tente em alguma medida levar de fato a obra e os seus contextos para o espectador. Simplesmente colocar uma câmera em plano aberta transmitida pela internet não nos parece nem de longe o modo mais adequado para o teatro, mesmo nesta atual fase do isolamento social.

– Ao nosso ver, as lives não respondem às necessidades do teatro, sob nenhum aspecto: nem estético, nem social, nem de cunho econômico. Como sustentar o teatro dessa forma?

– As “lives” talvez se prestem melhor às atividades formativas e debates, como o que já estava previsto para a programação do TRANSIT e que esperamos possa trazer agora na sua centralidade o tema das práticas teatrais no contexto da pandemia global. Esse nos parece ser o “grande tema”, a questão deste ano.

– Talvez fosse o caso de pensar formatos mais “honestos”, como do teatro previamente gravado, filmado e depois tratado com uma pós-produção utilizando os recursos do cinema e do vídeo (e não do teatro, nesta etapa). Como exemplos de trabalhos assim, Leandro Silva citou os trabalhos em vídeo da obra teatral de Philippe Genty (antes da pandemia) e Paulo Roberto Farias citou a recente apresentação da cantora e compositora Simone Rasslan no âmbito do projeto Mistura Fina. Ambos são trabalhos com interlocução entre a apresentação do/os artistas e uma produção e pós-produção de cunho audiovisual.

– Tais formatos, se acolhidos, implicariam num redesenho dos projetos selecionados para o TRANSIT IV e o adentramento de profissionais do cinema e/ou vídeo na ficha técnica, trabalhando lado a lado com o diretor teatral. O que implica em reabrir então a discussão sobre os projetos e refazer seus desenhos e até as fichas técnicas. No nosso caso em particular, é um ganho poder contar na nossa equipe com o Coletivo Catarse de audiovisual e a presença de profissionais de áreas muito distintas na equipe. O que antes era um desafio, agora pode ser uma grande oportunidade para o futuro do trabalho. Também nos colocamos abertos a firmar parcerias de interesse do outro grupo selecionado, da colega Julia Rodrigues, em vista de contribuir com eventuais soluções para demandas de tecnologias para a realização de nossos trabalhos. Buscamos juntos um formato, uma saída que contemple os dois trabalhos, sem perder de vista as peculiaridades de cada um.

ENCAMINHAMENTOS DA REUNIÃO

– Pensamos que, neste momento, o que devemos fazer é seguir se encontrando virtualmente, na medida do possível tentar relaxar e viver o que está acontecendo. E nos apoiarmos mutuamente.

– A incerteza do momento não nos permite pensar a fundo e decidir um formato alternativo para nossa montagem, caso essa situação da pandemia perdure. Mas apenas ir pensando sobre isso e idealizando as perspectivas. No entanto, entendemos que será fundamental a participação das equipes dos projetos – diretores, elencos, técnicos – protagonizando esse debate ao lado do Instituto Goethe, dos provocadores criticos artísticos e demais parceiros.

– A nossa perspectiva hoje (07/05/2020) é que esperemos isso tudo passar, avaliemos as restrições impostas no pós-pandemia e retomemos os projetos com nova agenda de ensaios, apresentações e o debate. Nessa retomada, será importante considerar que muitos dos processos terão que ser refeitos e sequer poderemos contar com a composição das equipes atuais num futuro pós-pandemia. Tudo terá que ser repensando e em alguma medida, refeito.

– Por fim, achamos fundamental ampliar esse debate com as equipes, os parceiros, provocadores, todos os envolvidos. Talvez seja o caso de se promover alguns encontros com as equipes com este tema, o desafio do fazer teatral em tempos de pandemia, já como uma atividade do projeto Transit para esta quarta edição, para não se perder o protagonismo dessa discussão e neste momento.

REFERENCIAS CITADAS NOS NOSSOS DEBATES  E CONVERSAS DE WHATSAPP:

Linha do tempo do Coronavírus no Brasil. Disponível em: https://www.sanarmed.com/linha-do-tempo-do-coronavirus-no-brasil

Lands End – Full LIVE, de Philippe Genty. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=LqUc5Skf-ho

Projeto Mistura Fina – Música para Fugir do Trânsito: https://www.facebook.com/misturafinamusica/

Projeto Vozes da Quarentena (Instituto Goethe Porto Alegre): https://www.goethe.de/ins/br/pt/sta/poa/vq1.html

Por que as videoconferências nos esgotam psicologicamente?, por José Mendiola Zuriarrain para o EL PAÍS, em 06 de maio de 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-05-06/por-que-as-videoconferencias-nos-esgotam-psicologicamente.html?utm_source=Facebook&ssm=FB_BR_CM#Echobox=1588780809